rafael Godoi

Os Beatles sempre influenciaram músicos de todo lugar do mundo a formarem novas bandas, com som inspirado nos álbuns que eles lançaram nos distantes anos 60 – e depois, em suas carreiras solo. Não é diferente no Brasil. Exemplo disso é Rafael Godoi, músico de talento ímpar, beatlemaníaco de carteirinha, que sempre tocou Beatles em todas as bandas que já formou – e até já venceu um concurso Beatles Cover como melhor músico solo! Seu empreendimento e paixão no momento é a banda Triskell, que embora tenha pouco tempo de carreira, já gravou um excelente álbum de estréia, faz shows direto (inclusive algumas dezenas na Europa) e acaba de lançar seu primeiro videoclipe. Sem falar que é colaborador do Portal Beatles Brasil desde o primeiro ano (há cerca de 15 anos) e um dos caras mais queridos da Beatlemania nacional. Conheça essa figuraça!

Por José Carlos Almeida
Rafael Godoi no Facebook: www.facebook.com/rafael.godoi

No disco da Triskell há uma música, “Down In Liverpool”, em homenagem aos Beatles. Todos da banda são fãs dos Beatles?
Sem dúvida! Tocamos, comemos e respiramos Beatles. São a razão de estarmos juntos em primeiro lugar. São a razão de eu ter começado essa jornada, aos 10 anos de idade. O Ed Bezerra (baterista) tem como maior influência o Ringo Starr, e logo em seguida, o Jim Keltner, é perfeito, além de ser um enorme entusiasta do George Harrison! O Kico Santos sabe todos os baixos da carreira solo do Paul, é incrível. E o Wendel Pistarini (teclados), além de tocar tudo no piano, eu imagino que seu beatle favorito seja o George Martin, por causa da produção musical. Quando estive em Liverpool pela primeira vez, em 1999, tive meio que uma epifania. Na letra da música eu tento decorrer sobre ela, além de também comentar sobre o árduo caminho que um músico ou uma banda deve percorrer. Como já dizia um certo baterista, ‘you got to pay your dues if you want to sing the blues’.

Apesar de não ser uma banda cover, em quase todo show vocês tocam músicas dos Beatles, certo?
Em todo show! Algumas, fazemos releitura, outras tentamos deixar mais parecida com o original. Sempre que possível, tentamos encerrar o show com o Abbey Road Medley. Fizemos isso no show de lançamento do disco, com vários convidados, entre eles Bia Mendes (ex-vocalista dos Mutantes), Vitor Trida e Marcelo Gross, da Cachorro Grande. Mas nossa favorita é a versão de ‘1985’ de Band on the run, da carreira solo do Paul.

Por falar em cover, na década passada você já venceu um festival competitivo como o melhor cover dos Beatles. Fale mais sobre isso, por favor.
Ah, isso foi em 2002, poxa vida! A verdadeira história é que eu tinha uma banda no interior, a Cazzo Pazzo, e logicamente tocávamos muito Beatles. Nossa única pretensão era poder tocar aqui na capital. Porém, depois das apresentações da banda, o organizador e hoje um muito querido amigo, Marco Antonio Mallagoli, me convidou para participar também como cantor solo, e fui vencedor. O Marco foi uma das primeiras pessoas que me fizeram acreditar que seria possível seguir em frente com a carreira, devo muito a ele! E poxa, tocar no Cavern é indescritível, né? Como fui acompanhado somente do baterista, o gerente do Cavern, um simpático senhor chamado Alex McKechnie (e amigo de juventude de um certo John Lennon), se prostou a tocar baixo conosco. Eu não consegui terminar de cantar “I saw her standing there”, tamanha emoção.

Você costuma ir sempre fazer shows na Europa. Pretende ir com a Triskell algum dia?
Nós fomos! Fomos no ano passado. Foi um puta barato! Foi a primeira vez do Wendel e do Ed na Europa, e participamos do Fringe Festival de Edimburgo, na Escócia, foi de estourar os miolos! Aproveitamos e lançamos o nosso disco por lá. Fizemos uns 25 shows na Escócia e depois fomos para a Irlanda. Talvez iremos voltar ainda esse ano pra lá, fomos convidados!

Você já tocou com os Mutantes, certo? Como foi a experiência? O Sergio e o Arnaldo já conhecem a banda Triskell?
Sim, toquei trombone em algumas ocasiões. Tem até no disco Haih! O Arnaldo eu não sei, faz tempo que eu não falo com ele diretamente, sabe, mas o Sérgio acompanhou até certo ponto as gravações do disco, uma vez que o Vinícius Junqueira (atual baixista dos Mutantes) foi quem coordenou, nos gravou, tocou todos os baixos e nos co-produziu, por conseguinte, em seu próprio estúdio, no Rio de Janeiro. Ele é um anjo, e um dos melhores músicos com quem já trabalhei. E o Sérgio dava uns pitacos remotamente. Aliás, aqui coloco uma pequena curiosidade que nos deixou muito felizes: na canção “Cool thing to be”, usamos a mesma caixa de bateria que fora usada na gravação dos Mutantes e seus cometas no país dos baurets, de 1972!

Além dos Beatles, você deve curtir muita coisa boa. Que sons você tem ouvido nos últimos tempos, o que indica pros bons roqueiros?
Putz, bixo, é foda proque sou beatlemaníaco mesmo. Daí vou e digo que, além de Beatles, ouço Lennon solo, Macca solo, Ringo, George, Travelling Wylburys e até Dirty Mac. Mas, sério, vamos lá. Eu tento ficar antenado com o que está acontecendo, sabe? Nós gostamos muito do Tame Impala, Black Keys, essas coisas. Lá na Escócia tivemos a oportunidade de trabalhar com os Dark Jokes, que é uma das maiores bandas de lá, e eles até vieram pra cá tocar com a gente. Lá tem muito neo folk/prog bom também, como Jacob’s Pillow, do nosso amigo Tam Ferguson, uma baita banda. Muito de nossa inspiração vem do folk céltico também. Outros dois artistas amigos que gostaria de mencionar aqui são o Johnny Fox, da Irlanda, e o Charlie Coombes, ex-Supergrass, que mora aqui em São Paulo e está para lançar um novo disco também. Enfim, tenho uma longa lista de amigos que valeria a pena demais mencionar.

Seria capaz de listar seus, digamos, 10 álbuns favoritos de todos os tempos? Quantos deles seriam dos Beatles?
Vamos desconsiderar os Beatles, senão seriam todos deles. Vou falar 12, mas sem nenhuma ordem de preferência, ok?

01 – Skiffle Sessions – Van Morrison, Chris Barber e Lonnie Donegan – Live in Dublin – 1995
02 – Ray Charles – 1957
03 – Bad – Michael Jackson – 1987
04 – Zé Ramalho – 1977
05 – Morphine – Cure for Pain – 1993
06 – Jimi Hendrix Experience – Axis: Bold as Love – 1967
07 – Leadbelly – Leadbelly sings folk songs – 1989
08 – Roy Orbison – Mistery Girl – 1989
09 – Oasis – Definetely Maybe – 1994
10 – Nirvana – In Utero – 1993
11 – Mutantes – 1969
12 – Chuck Berry – Chuck Berry’s Gonden Hits – 1967

A partir de 2010 passamos a ter um monte de shows de Paul e Ringo. Em quantos você foi? O que sentiu ao ver dois Beatles ao vivo?
Vi o Paul 4 vezes, e o Ringo 2 vezes, todas aqui em São Paulo. Foi indescritível, os melhores da minha vida. Foi mais que mágico. Dei até uma entrevista para o Estado por conta do primeiro show do Paul em 2010 por aqui, foi uma visão, um disco-voador que desceu, e ele mudou minha vida novamente. O do Ringo foi engraçado, porque fiquei amigo do staff dele, saímos juntos e tudo mais, fizemos uns vídeos bem divertidos.

Te conheci através do Portal Beatles Brasil, na época das listas de discussões. Lembra como conheceu o site?
Lembro sim! Foi logo em 2002. Por mais de uma década, foi o único site em que entrava diariamente, sério. Eu entrei para a lista de discussões, e nunca mais saí. Fiz lá amigos para a vida toda. E depois comecei a dar uns pequenos pitacos também, hehehe

Quais os planos da Triskell para o futuro? Há algum novo álbum sendo planejado? Novos clipes? E shows, como está a agenda da banda pro resto do ano?
Bem, acabamos de lançar um novo vídeo semana passada, para a canção Girl with a good heart. (https://www.youtube.com/watch?v=DtPax_VsB_A) Mas já tem um outro para entrar, está bem próximo! Logo faremos o lançamento em nosso canal no youtube (https://www.youtube.com/channel/UCHcAG1MbK3179WzP9mleYMQ). Há um novo álbum sendo germinado sim! Com grandes novidades também! Esperamos entrar em estúdio esse ano ainda. Temos alguns shows legais nesse mês, a maioria em São Paulo mesmo, mas estamos montando uma agenda para o sul e nordeste muito em breve. Quem quiser nos acompanhar, pode entrar no site www.triskellband.com que nossa agenda está sempre sendo atualizada. Lá também é possível ouvir o disco todo!

Gostaria de encerrar agradecendo demais o nosso querido portal Beatles Brazil por nos conceder esse espaço para divulgarmos nossa música, Muito obrigado a todos os envolvidos, em especial ao irmão José Carlos Almeida! Um abraço a todos, e nos deixem saber o que acharam de nossa música nas plataformas digitais!