roberto-gurgel-juba-blitzSe você é Beatlemaníaco e curte o Rock nacional, certamente conhece essa figuraça, grande fã dos Beatles de longa data (desde os anos 60). Comanda as baquetas de uma das maiores bandas do Rock Brasileiro, a Blitz e possui uma fabulosa coleção, que envolve discos, instrumentos e todo tipo de souvenir. Conheça um pouco mais o Juba, nessa rápida entrevista.

Você é considerado um dos maiores fãs dos Beatles entre os roqueiros brasileiros. É capaz de se lembrar como os conheceu?
Conheci junto com minha Tchurrrrma: Mozart Melo, Wander Taffo, João Ascensão… garotos com 10 anos ouvindo a Boys Band predileta, cantando “Love Me Do”. Uma maravilha!

Os Beatles influenciam a banda Blitz de alguma maneira? Mais algum músico da banda é fã deles?
Os Beatles não só influenciaram minha banda, como qualquer músico do século XX. A coisa foi avassaladora. Na Blitz todos gostam, mas o mais apaixonado sou eu.

Como você colocaria Ringo num suposto ranking dos bateristas do Rock?
Ringo é um ícone! Não importa se tem mais ou menos técnica. Se tornou o Baterista mais conhecido no mundo e seu trabalho nos Beatles é brilhante!

Sua coleção de discos e objetos do Rock e dos Beatles é fabulosa. Você seria capaz de citar quais os seus itens favoritos?
É difícil…rs, rs… são 45 anos garimpando na América, Japão, Europa. Tenho em casa 375 artistas de vários gêneros, com todos os discos de carreira e edições especiais. Meu lance é qualidade, não quantidade.

Seria capaz de citar qual o seu beatle favorito? E álbum favorito, você tem?
Seria injusto indicar o Beatle favorito. Tenho banda há quase 50 anos e sei que cada um contribui à sua maneira, com suas influências.

Ringo e Paul fizeram uma boa sequência de shows no Brasil, durante 5 anos. Quantos você viu, o que achou?
Sobre os shows de Paul e Ringo sou suspeito, rs, rs… todos maravilhosos! O número exato não me lembro. Uma coisa interessante a contar foi meu encontro 4 anos atrás, casual, com Paul, perto da sua casa na em St Johns Wood, na Cavendish Avenue. Foi às 10h da manha, caminhando sozinho. Inacreditável! Estava com minha inseparável máquina fotográfica, mas a primeira coisa que ele falou foi “No pictures”. Claro, respeitei e, pasme, ele ficou conversando comigo e um amigo beatlemaniaco, o tecladista Elihu Aversari, durante maravilhosos 3 minutos, de forma extremamente simpática. Claro, ficamos chocados!

Caramba! Que sorte!
Bota sorte nisso! Tem gente que monta campana na casa dele há 50 anos e nunca encontrou, kkkkkkk. Detalhe: tava sozinho. Incrivel!

E se fosse fazer um ranking dos seus álbuns favoritos de todos os tempos (e todos os artistas), quais seriam eles?
Difícil, mas vamos lá:
Revolver, Rubber Soul, Sgt. Pepper (Beatles),
Road Work (Edgar Winter),
Live at Carnegie Hall (James Gang),
Led Zeppelin I (Led Zeppelin),
Live (Tower of Power),
Chicago Transit Authority (Chicago),
Child Is Father to the Man  (Blood Swear and Tears),
On Time (Grand Funk Railroad),
Machine Head (Deep Purple),
One Way Or Another (Cactus),
Deja-Vu  (Crosby Still Nash),
The Yes Album (Yes),
Sellin England by the Pound (Genesis),
Romantic Warrior (Return to Forever).

O conheci através do músico e produtor Edu Henning, de Vitória/ES. Você conhece a banda Clube Big Beatles? Como você analisa o trabalho deles?
Adoro Edu Henning, adoro Big Beatles!

Como estão as atividades da Blitz? Além da sequência de shows, há planos de lançar material novo, um novo álbum, por exemplo?
A Blitz está lancando um CD de inéditas agora em Dezembro, estamos muito felizes por estarmos ha 34 anos na estrada.

Os Beatles foram a ponta de lança do British Rock, assim como a Blitz foi para o Rock Brasileiro nos anos 80. Eu sempre tive essa impressão. Você concorda?
Concordo com você, a Blitz deu o pontapé inicial, colocou o ovo em pé, com muito orgulho.

Juba e o amigo Marcus Rampazzo.

Juba no Facebook: https://www.facebook.com/roberto.gurgeljuba
Entrevista concedida a José Carlos Almeida