johnpaul

Parece um assunto irrelevante, e é. Afinal, que diferença faz o fato de uma música ter o nome de Lennon ou de McCartney em primeiro lugar? Mas a verdade é que esse assunto já provocou discordância e já causou aborrecimento a Paul McCartney. É sabido que havia um acordo verbal na dupla de compositores mais geniais de todos os tempos: independente de quem compusesse uma canção, ela seria igualmente creditada aos dois. E assim permaneceu até o fim dos Beatles.

A primeira música gravada com créditos para a dupla Lennon/McCartney foi “You’ll Be Mine”, de 1960, mas 3 anos antes, já haviam duas músicas (até então não gravadas ou registradas) da dupla: “Hello Little Girl” e “One After 909” (a primeira gravada no teste para a gravadora Decca, a segunda em uma das primeiras sessões já na EMI, mas só gravada e lançada definitivamente no álbum Let It Be, em 1970). Todas elas, no entanto, só se tornaram de fato ‘músicas dos Beatles’ nos anos 90, quando saiu a coletânea The Beatles Anthology.

Em se tratando de músicas dos Beatles de fato, ou seja, aquelas gravadas e lançadas por John, Paul, George e Ringo, a primeira creditada à marca Lennon/McCartney foi “Love Me Do”, em 1962, o primeiro single dos Beatles. Já no ano seguinte, “Please Please Me” e “From Me To You” foram creditadas como McCartney/Lennon. No ano seguinte, 1963, volta a ordem original e o single “She Loves You” volta a ser creditado como Lennon/McCartney, ordem seguida por todos os singles que viriam a ser lançados – sendo que no LP Please Please Me, as músicas aparecem como sendo de McCartney/Lennon.

Só após o fim dos Beatles, essa ordem com o nome de Lennon na frente realmente passou a incomodar o parceiro McCartney: em 1976, no lançamento do álbum ao vivo Wings Over America, as 5 músicas dos Beatles aparecem com a marca autoral McCartney/Lennon.

Enquanto John Lennon estava vivo, nunca houve qualquer tipo de conversa sobre a inversão dessa ordem, porém, após sua morte, Paul McCartney e a viúva Yoko Ono tiveram discordâncias sobre o assunto, quando McCartney, em algumas ocasiões, solicitou autorização para, oficialmente, creditar com seu nome na frente aquelas músicas que fossem prioritariamente criadas por ele, principalmente a mais conhecida, “Yesterday”. Yoko sempre se opôs à idéia, argumentando que não se muda a história, por isso a ordem deveria permanecer como já estava conhecida: Lennon/McCartney.

Paul McCartney, provavelmente numa tentativa de dispersar a polêmica em torno do caso, declarou: “Estou muito feliz com o jeito que as coisas são e sempre foram. Lennon/McCartney é uma marca forte no Rock’n’roll e tenho muito orgulho de fazer parte disso – na ordem que sempre foi”. No entanto, em lançamentos posteriores (como na coletânea Wingspan), algumas músicas dos Beatles aparecem como McCartney/Lennon – aparentemente sem a preocupação de solicitar de autorizações.

Curiosidade: no Brasil há duas marcas similares a essa parceria: Raul Seixas/Paulo Coelho e, claro, Roberto Carlos/Erasmo Carlos. Na primeira não há registros sobre discordâncias na ordem dos nomes. Quanto à segunda, no livro Roberto Carlos em Detalhes há uma breve narrativa sobre quando a ordem foi criada, sempre com Roberto na frente, mas segundo consta o parceiro Erasmo sempre achou uma grande vantagem ser o segundo nome. Para ele, o nome falado por último é o que fica mais gravado na cabeça da pessoa.

Voltando aos Beatles, o que todo fã concorda é que pouco importa a ordem dos nomes, e sim a qualidade dessas composições, e nisso, elas são inalcançáveis – e continuarão sendo.