Uma nova edição especial da revista The Sunday Times acaba de ser lançada com a “Rich List”, que indica: Paul McCartney continua sendo a personalidade mais rica do Reino Unido, com uma fortuna de 780 milhões de libras, o que equivale a cerca de R$3.2 bilhões. Além de manter o primeiro lugar, a fortuna de Sir Paul McCartney e Nanchy Shevell indica um crescimento de 20 milhões de libras (R$82 milhões) só este ano.

Duas outras fortunas relacionadas aos Beatles também aparecem na lista: Dhani e Olivia Harrison, herdeiros de George Harrison, em sexto lugar, com 210 milhões (R$870 milhões), mas com uma queda de 10 milhões de libras (R$41 milhões). Ringo Starr aparece em oitavo, com 20 milhões de libras (R$825 milhões), valor inalterado de 2016 pra cá.

A partir de Paul McCartney, vários roqueiros aparecem: U2, Mick Jagger, Keith Richards, Elton John, Eric Clapton, Rod Stewart, Roger Waters, Charlie Watts, Brian May e outros. O segundo colocado é o autor de trilhas sonoras teatrais Lord Lloyd-Webber e a pessoa mais nova a aparecer na lista é a cantora Adele, única com menos de 30 anos de idade.

Para nós, beatlemaníacos, o que mais chama a atenção é o fato da fortuna do espólio de George Harrison ter reduzido. O que será que causa essa perda financeira? Ouso aqui um palpite: existe um grande acervo deixado por George que, sabe lá por que motivo (provavelmente falta de visão de mercado e orientação adequada), permanece não lançado. E o que tem sido lançado, é sempre em edições caríssimas e limitadas – como por exemplo, o recente relançamento da biografia I Me Mine e da coleção de LPs.

Mas existe muita coisa que poderia ser lançada. Os promo-videos (ou videoclipes) de George mereciam ser lançados restaurados, em bluRay (quem os tem, ainda é em versões piratas extraídos de VHS). Apresentações ao vivo, como a memorável turnê com Eric Clapton no Japão, vários outros shows importantes, versão mais comercial da auto-biografia, entre outros tantos itens. Até mesmo o documentário The Beatles Anthology e o filme Let It Be, se relançados hoje com tecnologia bluRay, certamente dariam um bom up nesse numerário. Esperamos que eles acordem para isso.

Já a sempre crescente fortuna de Paul, nem precisa ser explicada, já que o homem continua realizando turnês lucrativas em todos os cantos do mundo, da América à Ásia e possui investimentos em setores muito lucrativos, como a edição musical e imóveis. Ringo Starr também continua com suas turnês, embora muito mais modestas, mas sempre lucrativas. Não há menção à fortuna de John Lennon, provavelmente por ser administrada a partir dos EUA.