jc2

Pelo terceiro ano seguido o Portal Beatles Brasil fará cobertura do maior evento da Beatlemania brasileira, o festival BH Beatle Week, que na edição 2016 será ampliado e trará atrações e locais inéditos. Sabendo disso, o site mineiro Universo Retrô realizou uma pequena entrevista com o nosso editor, José Carlos Almeida, que fala um pouco sobre suas impressões e a expectativa desse grandioso evento. 

O Beatles Brasil vai cobrir o BHBW pela terceira vez consecutiva. Quais suas impressões sobre as duas últimas edições do evento e as expectativas para esse ano?

O Portal Beatles Brasil tenta cobrir o máximo de eventos da Beatlemania nacional, divulgando-os em nosso site e resenhando-os posteriormente. Sendo o maior evento beatle da América Latina, a BHBW não poderia faltar. Me lembro de ter ficado maravilhado na primeira vez, e não era pra menos: conheci bandas e músicos incríveis, como o Gary Gibson, a Orquestra Ouro Preto, além de ter me deliciado com um show de astros de quem eu era fã desde criança, como Beto Guedes, Márcio Greyck e, claro, o Aggeu Marques, que eu conhecia só pela Internet. Confesso que subestimava o movimento de bandas cover no Brasil, então a BHBW me abriu um a mente para um novo universo, de músicos profissisonalíssimos e de muito talento. Outra coisa fantástica foi descobrir bandas que tocaram músicas dos Beatles nos mais diversos estilos (grupos vocais, instrumentais, Punk Rock, Rockabilly e até mesmo algumas que reproduzem fielmente o que ouvimos nos discos oficiais). Na segunda edição, já não fiquei mais surpreso, mas, embora tenha sido uma edição um pouco reduzida, também conheci músicos incríveis. A expectativa é que nesse ano eu reveja algumas dessas atrações e, se possível, quero conhecer outros que ainda não vi. Ah, e claro, espero rever as dezenas de amigos que fiz. Isso é tão importante quanto o festival em si. Esta será nossa terceira vez e espero nunca mais perder nenhuma edição.

Para você, por que o Beatle Week deu tão certo na capital mineira?

Em primeiro lugar, acho que deu certo porque é uma iniciativa de um cara que tem muita visão, profissionalismo e integridade: Aggeu Marques. Eu já sabia que era um puta músico, mas nem de longe imaginava que o sujeito era tão empreendedor. A BHBW é perfeita desde os grandes até os mínimos detalhes. Os artistas e convidados são tratados como superstars. Não é à toa que as bandas disputam “a tapa” uma vaga no evento. A equipe de trabalho também é excelente, profissionais de nível internacional, pessoas super do bem. Conta muitíssimo dois fatores importantes também: Belo Horizonte é uma cidade linda e o povo mineiro é muito acolhedor, do tipo que te conhece hoje e já vira “amigo de infância”; e também tem locais perfeitos para a realização desses eventos, como o Circuito do Rock, o Cine Brasil e a Savassi. Fora do evento, aproveitei para conhecer o Mercado Municipal, a Praça da Liberdade, o Beco do Rock (Sabará) e a Feira Hippie. Ou seja, além da atração principal, que é o festival, BH é perfeita também para quem quer conhecer gente e lugares bacanas. Não consigo imaginar um lugar melhor para isso.

Nessa edição, o BHBW vai contar com novos espaços (como o Centroequatro, Parque dos Mangabeiras e o Bar do Museu Clube da Esquina), além de atrações nacionais e internacionais inéditas, que prometem uma experiência inesquecível para os beatlemaníacos. Para você, quais as atrações de destaque do evento? O que os fãs não podem deixar de conferir nessa edição?

Musicalmente, quero muito rever duas atrações pelas quais me apaixonei: a Orquestra Ouro Preto e a banda Bloody Mary & The Munsters. Quero muitíssimo rever também o Aggeu em parceria com o Gary Gibson. Há outras bandas que mal posso esperar pra ver novamente (Hocus Pocus, Hey Baldock, Beatles Again e outras). Tem também umas bandas argentinas e chilenas que farei tudo pra não perder. Mas principalmente, espero conhecer mais algumas atrações que me deixem surpreso, maravilhado, que eu nunca mais esqueça. Com relação aos locais, além desses que você citou, uma coisa que me anima muito é a eminência de conhecer o Ouro Minas Hotel, onde o próprio Paul McCartney se hospedou quando esteve aí. Eu fui ao show, mas não pude ir lá naquela ocasião. Se tiver a chance, adoraria até mesmo conhecer a suíte onde ele ficou. E, claro, ver os shows que ali acontecerão. Acredito que serão incríveis também.

Por último, quais as dicas para os nossos leitores aproveitarem ao máximo cada dia do evento?

Infelizmente não dá pra ver tudo, pois alguns shows acontecem ao mesmo tempo, em locais diferentes. Então a dica é usar o programa oficial para se planejar e ver o máximo de atrações possível. E cuidar da logística do transporte, de modo a perder pouco tempo nos trajetos. Estou me preparando também para dormir pouco. Isso mesmo, pois as atrações geralmente duram até a alta madrugada e pretendo visitar, durante os dias, alguns pontos de BH (quero pelo menos cumprir o ritual de comprar vários tipos de queijo no Mercado Municipal). Mas como o assunto principal é música, prestem atenção nas dicas principais: tentem garantir seus ingressos com o máximo de antecipação, pois dessa vez, desconfio que vão se esgotar bem rápido. E principalmente, tentem a todo custo ver pelo menos uma apresentação do Aggeu Marques. O cara é fenomenal, incrível. Simplesmente o melhor Paul McCartney que já vi (depois do original, claro).